Participe de nossas redes sociais:
siga o EncontraPA no Facebook
siga o EncontraPA no twitter
participe da página EncontraPA no Google+


Segundo maior estado brasileiro, o Pará fica somente atrás do Amazonas, e divide com este também alguns rios como o Rio Amazonas, maior rio da Terra. O Pará é também o maior produtor de pimenta do reino do Brasil, e dono de belezas únicas.


 
Nasceu em 2008 o paraense Encontra Pará com a missão de ser o maior Guia de Bairros
e cidades do Pará

Todos os bairros de Belém e cidades PA
“ aqui Paraense Encontra ”
   

 

Alter do Chão em Santarém - Pará

Sobre o estado do Pará (PA)

O Pará é uma das 27 unidades federativas do Brasil. É o segundo maior estado do país com uma extensão de 1.247.689,515 km², pouco maior que Angola, dividido em 144 municípios (com a criação de Mojuí dos Campos), está situado no centro da região norte e tem como limites o Suriname e o Amapá a norte, o oceano Atlântico a nordeste, o Maranhão a leste, Tocantins a sudeste, Mato Grosso a sul, o Amazonas a oeste e Roraima e a Guiana a noroeste.

O estado é o mais populoso da região norte, contando com uma população de 7.321.493 habitantes. Sua capital, Belém, reúne em sua região metropolitana cerca de 2,1 milhões habitantes, sendo a maior população metropolitana da região Norte. Outras cidades importantes do estado são, Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Barcarena, Castanhal, Itaituba, Marabá, Parauapebas,Redenção, Santarém e Tucuruí. O relevo é baixo e plano; 58% do território se encontra abaixo dos 200 metros. As altitudes superiores a 500 metros estão nas serras de Carajás, Caximbo e Acari.

Os rios principais são, rio Amazonas, rio Tapajós, rio Tocantins, rio Xingu, rio Jari e rio Pará.

Belém do Pará
Belém do Pará

História

O Forte do Presépio, fundado em 1616 pelos portugueses, deu origem a Belém, mas a ocupação do território foi desde cedo marcada por incursões de Neerlandeses e Ingleses em busca de especiarias. Daí a necessidade dos portugueses de fortificar a área.

Em 1821, a Revolução Constitucionalista do Porto (Portugal) foi apoiada pelos paraenses, mas o levante acabou reprimido. Em 1823, o Estado do Pará decidiu unir-se ao Brasil independente, do qual estivera separado no período colonial, reportando-se diretamente a Lisboa.

A economia cresceu rapidamente no século XIX e início do século XX com a exploração da borracha, pela extração do látex, época esta que ficou conhecida como Belle Époque, marcada pelos traços artísticos da Art Nouveau. Nesse período a Amazônia experimentou dois ciclos econômicos distintos com a exploração da mesma borracha.

Com o declínio dos dois ciclos da borracha, veio uma angustiante estagnação, da qual o Pará só saiu na década de 1960, com o desenvolvimento de atividades agrícolas no sul do Estado. A partir da década de 1960, mas principalmente na década de 1970, o crescimento foi acelerando com a exploração de minérios (principalmente na região sudeste do estado), como o ferro na Serra dos Carajás e do ouro em Serra Pelada.

Economia

A economia se baseia no extrativismo mineral (ferro, bauxita, manganês, calcário, ouro, estanho) e vegetal (madeira), na agricultura, na pecuária e nas criações, na indústria e no turismo.

A mineração é atividade preponderante na região sudeste do estado, sendo Parauapebas a principal cidade que a isso se dedica. As atividades agrícolas são mais intensas na região nordeste do estado, onde destaca-se o município de Castanhal; a agricultura também se faz presente, desde a década de 1960, ao longo da malfadada Rodovia Transamazônica (BR-230). O Estado do Pará é o maior produtor de pimenta do reino do Brasil e está entre os primeiros na produção de coco da Bahia e banana.

O extrativismo mineral vem desenvolvendo uma indústria metalúrgica cada vez mais significativa. No município de Barcarena é beneficiada boa parte da bauxita extraída no município de Parauapebas e mais recentemente na região do Tapajós em Oriximiná.

Nos últimos anos, com a expansão da cultura da soja por todo o território nacional, e também pela falta de áreas livres a se expandir nas regiões sul, sudeste e até mesmo no centro-oeste (nas quais a soja se faz mais presente), as regiões sudeste e sudoeste do Pará tornaram-se uma nova área para essa atividade agrícola.

Balança comercial do Pará - anualmente

exportações: US$ 4,8 bilhões
importações: US$ 404,4 milhões

Pauta de exportações do Pará - anualmente, principais produtos

1º minério de ferro - 31,1%
2º alumínio - 22,2%
3º madeiras - 13,5%
4º minérios de alumínio - 8,3%
5º outros minerais - 7,9%
6º caulim - 7,1%
7º celulose - 4,1%
8º pimenta - 2%

Ou seja:

1º recursos naturais não-renováveis - 76,6%
2º madeiras e celulose - 17,6%
3º outros: 5,8%

Pauta de importações do Estado do Pará - anualmente, principais produtos

1º máquinas e equipamentos - 17%
2º veículos e peças - 12,3%
3º produtos minerais - 10,9%
4º coque de petróleo - 9,6%
5º trigo - 9,5%
6º combustíveis - 6,8%
7º soda cáustica - 6,7%
8º bens de informática - 6%
9º fertilizantes - 3,5%

Energia elétrica:

gerada: 31.385 GWh
consumida: 8.443 GWh

Etnias

Cor/Raça Porcentagem
Pardos 73,0%
Brancos 23,0%
Negros 3,5%
Amarelos ou Indígenas 0,6%

Fonte: PNAD (dados obtidos por meio de pesquisa de autodeclaração).

Educação

Resultados no ENEM
Ano Português Redação
2006
Média
33,13 (19º)
36,90
49,78 (17º)
52,08
2007
Média
46,02 (19º)
51,52
54,97 (15º)
55,99
2008
Média
36,90 (17º)
41,69
59,20 (8º)
59,35

Cultura

Culinária

A Culinária paraense possui grande influência indígena. Os elementos encontrados na região, formam a base de seus pratos, o que deixa os gourmets maravilhados pela alquimia utilizada na produção destes pratos exóticos. Os nomes dos pratos são tão exóticos quanto seu sabor, já que são de origem indígena.

Outros pratos típicos da região são:

  • Açaí
  • Caranguejo
  • Caruru Paraense
  • Casquinho de mussuã
  • Chibé
  • Cuscuz
  • Pato no tucupi
  • Tacacá
  • Maniçoba
  • Peixe moqueado
  • Pirarucu de sol
  • Pupunha
  • Sopa de aviú

 

Índice


Guias no Pará

Outros Estados

Dados

Gentílico paraense

Bandeira do Pará
(Bandeira)

Brasão do Pará
(Brasão)

Localização

Região Norte
Estados limítrofes: Amazonas, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Amapá e Roraima
Mesorregiões: 6
Microrregiões: 22
Municípios: 144

Capital

Belém

Governo (2011 a 2014)

Governador Simão Jatene (PSDB)
Vice-Governador Helenilson Pontes (PPS)
Deputados Federais: 17
Deputados Estaduais: 41
Senadores:Flexa Ribeiro (PSDB), Marinor Brito (PSOL), Mário Couto (PSDB)

Indicadores (2008)

Esper. de vida 72,2 anos (13º)
Mort. Infantil 23,7‰ nasc. (15º)
Analfabetismo 11,9% (16º)
IDH 0,755 (16º) - médio - 2005

Características geográficas

Área 247 689,515 km² (2º)
População
7 431 020 hab. (9º) (2009)
Densidade
5,96 hab./km² (21º)
Altitude
média de 200 metros
Clima
equatorial (Am)
Fuso horário UTC-3

Economia (2007)

PIB R$49.507.065 (13º)
PIB per capita R$7.007 (22º)

Site do governo

www.pa.gov.br